Felicidade

Felicidade

3 de mai de 2010

PRAIA, SOL E MAR

Praia, Sol, Mar.


Era um dia lindo, o sol emanava luz e calor aos borbotões e eu, triste em um canto pensando como seriam os próximos dias.
De repente começo a ouvir burburi-nho de vozes, aguço o ouvido para escu-tar do que se tratava. Grata surpresa, pois entendi que estavam planejando uma viagem.
Logo em seguida entraram no quarto e disseram em alto e bom tom, vamos to-dos a praia hoje, preparemo-nos. Daí fi-quei as voltas, praia, mar, sol, com certe-za seria maravilhoso.
Rapidamente todos foram pegando seus apetrechos, que certamente precisa-riam no passeio.
Com toda a alegria, olhava eu o que levaria, soutiens, calcinhas, biquínis, produtos para pele, esmalte... Quanta coisa, que peso.
Pouco tempo e estávamos prontos para partir, tudo era festa, alegria. Fomos de táxi até a rodoviária e lá tomamos um ônibus.
Não era um ônibus grande, de muito conforto, porém como a viagem era de fé-rias, valia tudo.
Lá fomos nós apertadinhos, pois os participantes da viagem eram muitos. Ve-jam só, tinham colegas de pele clara, es-cura, preta, amarela e pasmem, até ver-de.
Quando o ônibus começou a rodar, foi uma barulheira danada, todos chia-vam, porém, com o continuar a viagem, se ajeitaram, se acomodaram e eu dormi. De repente um solavanco, acordo assus-tada, é que o motorista havia parado o ônibus, pois havíamos chegado.
A alegria tomava conta de todos.
Novamente fomos de táxi até a nossa casa na praia, que ficava em frente ao mar.
Aí, chegamos todos em grande festa, logo começando a se despir das roupas tradicionais e a colocar as apropriadas para o momento.
As minhas foram postas parte no armário e parte ficou em cima da cama para uso posterior.
Neste momento eu fui como jogada em um canto, sim jogada. Fiquei triste e chorei, pois que somente iriam querer a minha companhia na volta para casa.
Porém podem até não acreditar, mais não é fácil a vida de uma mala.